Múmia: a Ressurreição - O Jogo


Jogo emblemático para o Ano do Escaravelho, Múmia: A ressurreição é apresentado pela primeira vez em 2001 sob os cuidados de Robert Hatch, um dos responsáveis também pela linha Lobisomem: O Apocalipse. Apesar de ser o título menos suportado entre os demais produtos do mundo das trevas, Múmia contou com o suplemento Múmia a Ressurreição: Guia do Jogador, assim como também teve seus finais na linha Tempo do julgamento em 2003. Também foi adaptado ao Teatro Olho da Mente como Leis da Ressurreição

Ainda sobre a gama de livros que envolvem as múmias no mundo das trevas, o título Mundo das Trevas: Múmia apresenta pela primeira vez estes imortais no cenário desenvolvido pela White Wolf Publishing, desenvolvido e publicado antes do lançamento de Lobisomem: O Apocalipse em 1992, tornando Múmia tecnicamente o segundo suplemento publicado para o Mundo das Trevas após o seu carro chefe Vampiro: A Máscara. Neste livro inclui regras para jogar com estes personagens e suas feitiçarias poderosas, ou adicioná-los à crônicas já existentes de Vampiro e Lobisomem na primeira edição. Sua segunda aparição no mundo das trevas acontece na segunda edição, apesar de muitas das mecânicas de jogo usado no suplemento anterior serem renomeadas, removidas, consolidadas ou revisadas drasticamente no livro Mundo das trevas: Múmia segunda edição em 1997, ainda com características para auxiliar em Crossovers dos outros títulos.

Finalmente na terceira edição, Múmia: a Ressurreição retrata personagens imortais com um imenso senso de dever, inspiração, responsabilidade e discernimento. Remonta de forma esplêndida as culturas Egípcias, Sul-Americanas e Chinesas adaptadas sobrenaturalmente ao mundo das trevas, incentivando jogadores e narradores a conhecer novas simbologias, crenças, filosofias, etc. 


Introdução

Tudo começa com um estrondo, o último grande sopro do submundo que acabou com o título Aparição e seguiu o estrago destruindo o Reino da Areia, onde Osíris dormia e onde os espíritos egípcios descansavam. Todas as múmias exceto 13 múmias originais foram destruídas (o que foi uma péssima notícia para aqueles que usavam múmias nas suas campanhas já existentes na segunda edição da época), e despertou o próprio Osíris do seu sono milenar. Ao acordar, Osíris declara que o antigo feitiço da vida era defeituoso e cria um novo, trazendo a nova raça de múmia, o Amenti, nome em homenagem à sua cidade destruída no mundo dos mortos. Os Amenti, são os guerreiros de Osíris para Maat (deusa do equilíbrio), e contra Apophis (o mal corruptor que ameaça desencadear a decadência da humanidade.


Tema

Em geral, Múmia: a Ressurreição trata de responsabilidade. Os mortais são dotados de poder para mudar o mundo a seu redor de inúmeras maneiras. As almas redivivas de Múmia enxergam claramente seu propósito. São confrontadas com a presença inegável da Divindade. Ouvem as palavras do deus da vida e sabem que, a cada morte, têm de enfrentar o julgamento por suas ações. Enquanto estiverem vivos, os Renascidos são obrigados a lutar contra as forças hostis e às vezes esmagadoras de Apophis, sempre se esforçando para servir a Maat e escolher o caminho correto nos momentos críticos. Além disso, a própria experiência da ressurreição envolve a oportunidade de redenção que vamos falar em seguida. A ressurreição inspira uma intensidade e um gosto pela vida nunca experimentados antes. O clima em Múmia: a Ressurreição explora a ressonância da dualidade, principalmente entre o físico e o espiritual. O mundo dos vivos e o mundo subterrâneo são igualmente importantes para vida. A sensualidade inspirada pela ressurreição é a maneira que Osíris encontrou para lembrar constantemente os Renascidos da razão pela qual lutam contra Apophis. Para as múmias, todas as sensações, físicas e emocionais, são intensificadas. O doce torna-se mais doce e o amargo, mais amargo ainda. A promessa de viver para sempre de acordo com a justiça de Maat, portanto, torna-se muito mais atraente, enquanto a ameaça de uma eternidade moldada pelo horror que Apophis tenta espalhar torna-se indescritivelmente apavorante.


O Amenti

O que acontece agora, então, é que um fragmento de uma antiga alma egípcia (o tem-akh) procura um mortal que acabara de morrer, e que de alguma forma falhou em sua vida, devido a um desequilíbrio em sua alma. Quando eles morrem, o espírito oferece-lhes uma barganha; os dois se unirão, e eles voltarão à vida e encontrarão um novo propósito. Se a alma aceitar, os dois se unem. O tem-akh temporariamente possui (e, se necessário, “conserta”) o cadáver, e leva-o ao Oriente Médio, onde fica localizado a Teia da Fé (uma rede de sítios sagrados), onde um dos cultos que seguem Osiris o encontra e executa o feitiço completo da Vida, unindo as duas almas e criando um Amenti enquanto a alma faz também uma peregrinação no mundo espiritual onde será julgada pelos Juízes de Maat para saber se é ou não digno de sua nova existência. 



O Tem-akh

Para compreender melhor a natureza do Tem-akh, é preciso aceitar a ideia egípcia de que toda a essência de um indivíduo encontra-se representada em nove partes.

Ren - Nome verdadeiro (Parte inerente do seu ser).
Ab - O coração (Centro da consciência).
Khat - O corpo (Parte física deixada para trás quando o espírito entra no mundo subterrâneo).

As demais seis partes compreendem melhor o Tem-akh por significar o indivíduo de forma espiritual.

Sekhem - Força vital (Energia em sua essência).
Ka - Vigia espiritual (Fragmento da alma responsável por defender o corpo).
Ba – Viajante espiritual (Fragmento da alma responsável por viajar através dos dois mundos).
Khaibit - Personificação da perversidade (Violência e Desejos da alma)
Sahu - Porção eterna da alma (Parte incorruptível da alma que habita o paraíso egípcio).
Khu - O "brilho" (Uma cobertura psíquica que envolve o corpo e a alma da múmia.

O Tem-akh pode ser um desses últimos cinco fragmentos da alma egípcia, das nove acima mencionados que complementam o Amenti. Simplificando, a nova alma enche uma lacuna na vida do velho, de modo que, por exemplo, alguém que negligenciou seu corpo poderia estar se unindo com um Ka, parte da alma que protege o corpo até a ressurreição. Um cientista tímido que não teve imposição para ter sucesso pode se juntar com o Khaibit, parte espiritual responsáveis pelos desejos mais fortes da alma.


Criação de Personagem

A criação de seu Amenti, é uma pequena variação do Storyteller tradicional “7/5/3 para atributos, 13/9/5 para habilidades”. Em vez disso, você cria seu personagem como um mortal antes de tudo, com 6/4/3 para Atributos, 11/7/4 para habilidades e, em seguida, adiciona em 2 pontos os Atributos e 5 pontos nas Habilidades quando você une o Tem-Akh com a alma do mortal e se torna um Amenti. Você é encorajado à fazer isso de uma maneira que reflete a nova alma do seu personagem, o que chamamos de “Terceira Vida”. Um exemplo comum é o de alguém que ganha um tem-akh Khaibit, adicionando 2 pontos em Força, representando sua pura fúria, e alguém cujo tem-akh era de um general do antigo Egito e adicionaria 3 dos 5 pontos extras na Habilidade Liderança. Isto é bastante interessante, uma vez que engloba as duas partes do seu personagem e enfatiza o tema da “fusão de duas almas”. Você ganha também um pontos em Hekau (Palavra do poder), que são os feitiços e rituais do seu personagem, assim como ganha uma característica em Equilíbrio, em seguida restam os pontos de bônus para agregar outras características do seu personagem. 


Hekau

As Hekaus realmente não mudaram muito desde a segunda edição de Múmia. Existem seis caminhos:

Amuletos – Criação de amuletos e talismãs.
Alquimia – Criação de poções e elixires.
Celestial – Os poderes das estrelas e do céu.
Efígie – A criação de servos e ferramentas.
Necromancia – Os poderes dos mortos e do mundo espiritual.
Nomenclatura – O poder dos nomes verdadeiros.

Cada nível em cada caminho possui vários feitiços ou rituais disponíveis, que dependem do gasto de Sekhem (energia vital) para lançar esses feitiços, criar itens ou realizar rituais. A maioria dos itens são permanentes e duram tempo suficiente para que você possa construir um estoque decente deles. É um sistema agradável e flexível do uso de magia e não consegue ser complexo demais. Outro ponto interessante é que na Nomenclatura, por exemplo, que é uma forma mais direta de magia dos Amenti que pode servir para transformar ou destruir diversos tipos de coisas e vidas existentes através de seus nomes verdadeiros, mas há um fator de equilíbrio inato em que você precisa pesquisar esses nomes de antemão para poder tornar possível o seu uso.





Dinastias 

As Dinastias são caracterizadas de acordo com os 5 fragmentos espirituais (Tem-akh) existentes. Cada um desses fragmentos procurará um mortal hospedeiro para complementá-lo com as características do Tem-akh em questão, quer seja o KaBaSahu, Khu e Khaibit.

Kher-minu - Dinastia daqueles dominados pelo Tem-akh (Ka), os Kher-minu são liberados de seu comportamento autodestrutivo e, de fato, tem uma unidade de autopreservação tão forte que podem parecer covardes. No entanto, eles são igualmente dedicados a proteger os outros, tanto os vivos como os mortos. Eles se especializam na Hekau Amuletos, o que é útil para imbuir roupas ou joias com poderes de proteção.

Khri-Habi - Os escolhidos pelo tem-akh (Ba), o novo Amenti é capaz de diminuir a força do hábito, procrastinações e tornar-se proativo em vez de reativo. Faz uma releitura de seus antigos pressupostos e preconceitos, ganham uma fome por conhecimento e desafio intelectual e especializam-se na Hekau Alquimia.

Mesektet - Escolhidos pelo Tem-akh (Sahu), procuram por almas de mortais corrompidos, que tinham tendências a mentir e enganar ou que só procuravam ganhos temporários. Através da união, eles ganham a integridade e a honestidade que lhe faltavam. Muitas vezes, eles se preocupam em consertar os seus erros ou restituir-se com aqueles a que prejudicaram. Especializam-se no conhecimento da Hekau Celestial, que permite que vejam os projetos do destino e uma melhor ligação com a divindade.

Sakhmu - Escolhidos pelo Tem-akh (Khu), que busca dar ao novo amenti uma centelha do divino; para aqueles que tiveram suas vidas diárias monótonas, vazias e sem inspiração. O brilho criativo que Khu lhes dá, é como um incêndio interno que eles anteriormente careciam. Toda essa criatividade faz com que os Sakhmu se especializem na Hekau Efígie, permitindo que eles expressem todo o seu potencial de esplendor.

Sefekhi – Escolhidos pelo Tem-akh (Khaibit), que vagaram procurando por pessoas tímidas, moderadas ou sem força de vontade, muitas vezes devido à falta de tendências agressivas, também por pacifismo extremo ou autodisciplina rígida. Os Sefekhi no caminho de Maat são muitas vezes instáveis e sangrentos às vezes, por seus impulsos obscuros do Khaibit que nunca estão completamente sob controle mas sempre direcionados na luta contra Apophis. Especializam-se na Hekau Necromancia que mais se assemelha à sua identidade sobrenatural. 

Udja-sen – Muitas vezes os Tem-akh escolhem um mortal ou moribundo cuja alma é muito defeituosa ou incompleta. Algumas vezes o próprio tem-akh comete algum equívoco, então quando estes são revelados aos Juízes de Maat durante o processo do Rito da Vida, os Juízes impõe uma parte adicional da alma do mortal para torna-lo apto para a imortalidade e forçam o tem-akh a preencher as outras lacunas. No processo, o tem-akh perde suas memórias e identidade independentes. Essa dinastia sofre certos tipos de preconceitos, uma verdadeira pílula amarga de engolir. Ainda assim, os Udja-sen procuram uma perspectiva de diferentes maneiras no serviço à Maat.

Vamos listar aqui também as dinastias Sul-Americanas e Chinesas representadas no livro. Mais tarde traremos uma apresentação aprofundada sobre essas dinastias dos primos dos Amenti na nossa página. Há também outros dois tipos de múmias ainda existentes no mundo terreno.

Cabiri - Os Cabiri são múmias criadas por uma tradução grega do feitiço egípcio original, e a maioria desapareceu quase que por completo. Dizem que alguns deles ainda persistem na região do Mediterrâneo, onde executam seus planos inescrutáveis. Eles evitam os Amenti sempre que possível e, quando confrontados, têm reações que variam da desconfiança à completa hostilidade.

Ismaelitas - Os irmãos pródigos dos Shemsu-Heru, os Ismaelitas recusaram a convocação de Hórus para o suicídio ritual. Agora, escondem-se nas moradas que escolheram originalmente para si. Recentemente, os Juízes de Maat intimaram os Amenti a procurar e contatar essas criaturas antigas sempre que possível. Entretanto, os Ismaelitas sabem como se esconder e não tomarão a iniciativa de revelar seu paradeiro.

Dinastias de Múmias Sul-Americanas: Capacocha

Chaskimallki
Intimallki
Pachamallki
Uchumallki

Dinastias de Múmias Chinesas: Wu T’ian

Wu Feng
Xian Lung


Equilíbrio

O Equilíbrio é o que mede a força da sua compreensão e de sua relação com os princípios universais da justiça, do equilíbrio e da integridade. Todas as múmias começam com um nível limitado de Equilíbrio, conferido pela união e pelo ritual que lhes deu a vida eterna. À medida que estudam e progridem, mostrando-se dignas com suas palavras e ações, elas fortalecem e aprofundam sua compreensão deste princípio universal. Um Amenti com uma compreensão profunda do Equilíbrio é capaz de proezas espantosas, pois aqueles que estão em harmonia com Maat sabem que a força do universo apoia suas ações.

Os jogadores que conhecem Vampiro: a Máscara podem equiparar essa característica à Humanidade, mas essas regras não fornecem um quadro completo do que é o Equilíbrio. Não se trata de agir como um humano, mais do que isso, o Equilíbrio equaciona um tipo de iluminação espiritual e cosmológica que é personificado num código moral particular. Caso um dos Redivivos caia em desgraça, os juízes destituem a múmia de todo o poder que ela não mereça, o que é um problema para a progressão de uma Múmia, uma vez que a progressão de seus atributos e habilidades, assim como o uso de seus poderes inatos e do uso de Hekau estão ligados ao nível de equilíbrio da múmia. 


Facções dos Redivivos

Para auxiliar na luta de seus seguidores contra a corrupção de Apophis, Osíris presenteou seus adoradores mortais com o dom de um novo e mais potente Feitiço da Vida. Os velhos sacerdotes de Isis e Osíris atraem novos seguidores, e novas organizações têm surgido para se juntar ao conflito. Como a vontade de Osíris permanece menos influenciadora de seus métodos, esses grupos procuram a liderança das novas múmias que ajudam a criar. Apesar de os tem-akh terem passado séculos na presença do Senhor da Vida, não se deve considerar os Redivivos como servos robóticos de Osíris. Apesar de terem seus próprios métodos, a maioria dos grupos concorda em lutar para devolver Maat ao mundo.

O Culto de Isis

Os mais fiéis adeptos mantiveram viva a fé nos deuses egípcios durante milhares de anos. Eles protegeram e serviram o filho imortal de Isis, Hórus, e suportaram as arrasadoras depredações dos servos de Set. Com o retorno do Espírito de Osíris preenchendo a Teia da Fé no oriente médio, o Culto de Isis retorna sua atividade com bastante fervor. Alguns membros procuram os espíritos tem-akh que vagam pelo mundo subterrâneo num esforço desesperado para ressuscitá-los. 

Os Filhos de Osíris

Os mais antigos sacerdotes dos Filhos de Osíris alegam já terem sido Ghuls (o que os europeus chamam de vampiros). A maioria rebelou-se quando Osíris proclamou o fim das práticas de canibalismo, e devido sua insubordinação, foram destruídos pela fúria de Rá. Os sobreviventes procuraram Osíris para desviarem-se de seu caminho obscuro e assim o deus-rei ensinou a lutar contra a corrupção de seus espíritos. Sua compaixão transformou os Filhos de Osiris novamente em homens, com todas as alegrias e limitações concomitantes para aqueles que abstiveram-se de consumir sangue humano e conservaram valores humanitários incontestáveis. Dotados com o conhecimento do Grande Rito, os Filhos de Osíris procuram os fragmentos os espíritos dispersos de Amenti e auxiliam os serviços dos mesmos por devoção ao deus da vida.

Os Shemsu-Heru

Esses Redivivos juntaram-se ao filho de Osíris, Hórus, em sua cruzada para vingar a morte do pai e destruir o usurpador Set. Aqueles que sobreviveram até os dias atuais passaram pelo sacrifício ritual e receberam o novo e mais completo Feitiço da Vida. Também conhecidos como Imkhu, ou Venerados, os Shemsu-Heru trazem consigo lembranças quase completas de inúmeras vidas, assim como a vibrante força vital da ressurreição. São seres extremamente poderosos e respeitados pelos tem-akh que se recordam delas e temidas por aqueles que outrora as desafiavam. Atualmente esses Amenti atuam como os intermediários de Hórus, protegendo a humanidade e investigando o mal corruptor.

Os Eset-a

Acredita-se que Osíris foi desmembrado em dezesseis partes: a cabeça, as plantas dos pés, os ossos, os braços, o coração, as entranhas, a língua, o olho, o punho, os dedos, as costas, as orelhas, o falo, o tronco, a cabeça com face de um carneiro e o cabelo. Os Eset-a acreditam que cada um dos locais de descanso das partes do corpo de Osíris abriga relíquias que absorveram porções da energia divina do deus-rei. Eles tentam reunir os artefatos que contêm o Sekhem de Osíris, de modo que possam reconstruí-lo no reino terreno. Outras facções acham que essa abordagem beira a blasfêmia, e preocupa muitas vezes que as buscas desse grupo possam desafiar Maat na mesma medida que a promovem.

A Ashukhi

Essa facção é conhecida como uma companhia que deu inicio a uma linha de investimentos que mistura de maneira bizarra tecnologias inovadoras e pesquisas arqueológicas. Do mesmo modo, o consistente continuo crescimento financeiro da organização e as inacreditáveis contribuições filantrópicas a várias instituições educacionais indicam tanto talento para melhorar o futuro da humanidade que acaba chamando a atenção de novos adeptos Amenti e mortais para a sua causa.

Shuankhsen

Conhecidos também como os Inanimados, através de eras algumas múmias abandonaram a congregação dos Shemsu-heru e passaram a se dedicar aos próprios interesses. Algumas criaram sua própria versão do Grande Rito e com a chegada da Dja-akh, grande parte dessas múmias que vagavam pelo mundo subterrâneo entre uma vida e outra foi destruída por não contar com a proteção de Osíris. É possível que alguns tenham sobrevivido conseguindo evitar os Juízes de Maat, que por sua vez aguardam a aproximação dessas múmias.

Os Abridores do Portal

Essa facção possui destinados Amenti a cruzarem o mundo dos mortos auxiliando almas no processo do Haje para defendê-las de inimigos e procurarem por almas perdidas que sobreviveram à Dja-akh, encontrando e preparando também hospedeiros que se adaptem perfeitamente para os Tem-akh. Afinal, nenhuma guerra pode ser vencida sem soldados. As frentes dos Abridores do Portal são mais comumente preenchidas por Múmias Udja-sen, impacientes com suas destituições sociais entre os outros redivivos e na busca de uma utilidade mais prática ao serviço de Maat.

O Pergaminho Desencantado

Repleto de Amentis que buscam incessantemente estudos históricos para entender e formar estratégias na luta contra Apophis, os membros desta facção aventuram-se através do globo interagindo com seus primos Capacocha na América do Sul e no Oriente com os Wu’Tian. Este intercâmbio é uma forte ferramenta no compartilhamento de conhecimentos sobre Hekau e muitas vezes uma forma disfarçada de se infiltrar entre as outras Múmias na tentativa de evitar problemas futuros. 

A Mão de Thoth

Esta facção é repleta de Cabiri e Ismaelitas que caminham no mundo terreno com suas meia existências. Contam com um número muito pequeno e são considerados um rumor para os Amenti.  Essas múmias buscam merecer o conhecimento do Rito da Vida e barganham com Hórus para que este conceda o conhecimento em troca de seus serviços contra Apophis. Muitos desses, são curiosos e mantém um contato direto com as múmias sul-americanas.

As Aranhas do Deserto

Estes Amenti estão preocupados com o êxito daqueles mortais à caminho da Teia da Fé, desprotegidos exceto pela força de vontade do tem-akh, os Amenti desta facção são ótimos sentinelas nas fronteiras e aeroportos, assim como mantém conexões com outras raças do mundo das trevas e também com seus primos Teomallki, na tentativa de expandir a Teia da Fé ao mesmo tempo que lutam diminuindo os impactos de Apophis.


Levantando a bandeira do Equilíbrio

Trilhar este caminho pode ser difícil, pois lida com conceitos complexos, mas ainda é um jogo, portanto você já viu boa parte do pano de fundo e recebeu algumas informações empolgantes sobre os tipos de Amenti e os incríveis poderes que eles empregam. É válido acrescentar que as múmias recuperam Sekhem muito mais rapidamente quando estão dentro da Teia da Fé, e enfraquecem-se caso passem longos períodos fora da teia.

Agora que você se tornará um Amenti, você estará do lado da luz, do equilíbrio e da verdade. Então vamos lá lutar contra Apophis, contra os Seguidores de Set e todos os sugadores de sangue, as múmias corrompidas por Apophis, Espíritos inquietos, Cultos canibais, problemáticas da vida anterior e todas as mazelas da raça humana.

"O ontem me criou; Eis hoje; Eu crio os amanhãs." - Asurk III, Imkhu dos Khri-habi; Vizir Shemsu-Heru.


Acompanhe também estas publicações: 
                                                 A arte do Crossover (I a IV)
Clique Parte III: Múmias entre Lobisomens.
Clique Parte IV: Múmias entre Magos.
Parte V: Múmias entre Aparições, Changelings e Caçadores. (Em breve)

20 Comentários

  1. O feitiço da vida dos Ismaelitas é imperfeito assim como o das 13 shemsu heru originais certo? O fato desse feitiço ser imperfeito proporciona a essas múmias aquela aparencia tradicional das múmias de filme de terror ou apenas se resume a infertilidade?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse tipo de múmia sofre de uma ressurreição inferior, e por isso apesar de possuir todas as propriedades físicas da vida, ele não possui força vital verdadeira. Não pode se reproduzir e sua estética também é consideravelmente afetada, assim como sua aura. Mais informações podem ser acessadas no Guia básico de Múmia: a ressurreição incentivado por esta publicação.

      Excluir
    2. Dua!! Bem observado, essas astutas Ismaelitas se reviram atualmente para passarem despercebidas pelos Amenti, os Juízes mal podem esperar para colocar as mãos nessas múmias escorregadias que contém um poder considerável. Também podemos acrescentar que mesmo com o feitiço da vida, os nossos irmãos Sefekhi passam a ser inférteis por assim dizer, pois perdem seus órgãos sexuais no processo do Rito, para auxiliar no apaziguamento do seu instinto selvagem (Khaibit).

      Excluir
    3. Resposta à Anônimo 12 de março de 2018 23:40:00:

      Não foram 13 as múmias originais seguidoras de Hórus, e sim 42 (quarenta e duas) Shemsu-Heru.

      Hórus, o Vingador, e sua mãe, Ísis, a deusa da magia, ressuscitaram as primeiras múmias e seu número aumentou lentamente até chegar ao total de 42. Permanecendo neste número, por milhares de anos, até pouco antes do surgimento das Novas Múmias, as Amenti, em 1999 d.C.

      Fonte bibliográfica:
      Manual Básico Múmia A Ressurreição.
      Capítulo Um: Julgamento no Paraíso.
      Tópico: Facções Redivivas.
      Seção: Os Shemsu:Heru.
      Página 29; Primeiro Parágrafo.

      Excluir
    4. P.S.:

      À Anônimo 12 de março de 2018 23:40:00,

      Para teres mencionado o número 13 certamente deves ter te recordado dos Imkhu - os Antigos Shemsu-Heru (as Antigas Múmias Seguidoras de Hórus) que atenderam o chamado de Osíris, e de seu Líder Hórus, pata receber o Novo Feitiça da Vida.

      Das 42 antigas múmias, apenas 12 fiéis atenderam e compareceram a esta convocação. E foram chamadas de Imkhu, que significa: Venerado. E juntamente com Hórus formavam o número 13, os mais poderosos dentro os Imorredouros.

      Fonte:
      Manual Básico Múmia A Ressurreição.
      Capítulo Um: Julgamento no Paraíso.
      Tópico: Facções Redivivas.
      Seção: Imkhu [Quadro Cinza].
      Página 30; todos os parágrafos.

      Excluir
    5. Adendo:

      Para mais informações sobre os Imkhu, veja também:

      Manual Básico Múmia A Ressurreição.
      Apêndice: Outros Imortais.
      Tópico: Os Antigos Imorredouros.
      Seção: Imkhu.
      Página 216.

      Excluir
  2. 1- Há algum suplemento que detalhe Ismaelitas e Cabiri e/ou permita criar personagens desta dinastia?

    2 - As primeiras 5 facções são encontradas no livro básico de Múmia a ressurreição... aonde posso encontrar informações as demais?

    3 - Não optando por um crossover com Vampiro A Máscara, os Shuankhsen seriam a única opção de antagonista do cenário?

    Parabéns pela postagem! Ficou ótima!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dua!! Sim, caro amigo, ficamos feliz que criamos sua dúvida acerca dos Ismaelitas e Cabiri, afinal nossa publicação é de introdução à esse cenário fantástico e assim como falamos, todas as informações podem ser encontradas no Guia básico de múmia e também no Guia do Jogador. Isto vale para mais informações acerca das facções também. Vale salientar que citamos os Ismaelitas e os Cabiris como -tipos- de múmias, eles não são dinastias. E sabemos que Apophis vai tentar até mesmo te corromper para as fileiras doentias dele, então já podes imaginar o leque imenso de antagonistas que nós iremos enfrentar, mas acredito que com fé e perseverança vamos vencer! Nós da equipe Rage Across ficamos satisfeitos que tenha gostado e fica ligado que esse foi apenas o primeiro passo!! Abraço do Amenti que vos fala.

      Excluir
    2. Resposta à Unknown 13 de março de 2018 02:27:00:

      1. Não foi produzido, oficialmente, suplemento que detalhasse as Múmias (Imorredouros) Ismaelitas e Cabiri, ambas rotuladas pelas Facções Redivivas como: Shuankhsen "Os Sem Vida".

      Ismaelitas, as Múmias Egípcias Renegadas, não constituem dinastia, pois foram no passado parte das fileiras entre os Shemsu-Heru (das 42 que existiram), e agora são consideradas traidoras.

      Cabiri, as Múmias Gregas e Européias, e também da Ásia Menor, apesar de se enquadrarem, pelas Egípcias, como: Shuankhsen, poderiam ser uma nova classe de múmias, mas isto é um raciocínio não oficial.

      Tudo (pouca coisa) sobre elas pode ser encontrado em:

      Manual Básico Múmia A Ressurreição.
      Apêndice: Outros Imortais.
      Tópico: Os Antigos Imorredouros.
      Seção: Cabiri.
      Pâgina 217.

      Excluir
    3. Resposta à Unknown 13 de março de 2018 02:27:00:

      2. Das demais Facções Redivivas, podes encontrar maiores informações no Mummy Players Guide (Múmia Guia do Jogador), publicação da Linha Título Múmia A Ressurreição que encontra-se apenas no Idioma Inglês.

      Chapter Two: Fragments of a Soul Arisen.
      Topic: Factions.
      Page's 64 à 69.

      Boa leitura!

      Excluir
    4. Resposta à Unknown 13 de março de 2018 02:27:00:

      3. Não.

      Podes encontrar um lista detalhada dos possíveis Antagonistas dos Imorredouros (as Múmias) em:

      Manual Básico Múmia A Ressurreição.
      Capítulo Oito: Serpentes no Jardim.
      Páginas 198 à 213.

      E também podes saber como os Imorredouros (as Múmias) lidam e convivem com os demais Seres Sobrenaturais que existem no Mundo das Trevas em:

      Mummy Players Guide (Múmia Guia do Jogador).
      Chapter Seven: Allies and Compatriots.
      Topic: The Reborn in The World of Darkness.
      Pages 203 à 210.

      Novamemte, boa leitura!

      Excluir
  3. No jogo há métodos de recuperar Sekhem fora das Teias da Fé?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dua, Fernando! Sim, os Udja-sen podem fornecer de sua própria energia vital para seus companheiros, Urnas carregadas de Sekhem também são ótimos utensílios para recuperar Sekhem. Em ultimo caso, podemos considerar que os magos também possam de alguma forma transformar alguns pontos de Quintessencia em Sekhem. Partindo para as múmias Sul-Americanas que vamos tratar em breve aqui na nossa página, sabemos que eles possuem práticas de sacrifício, onde, a partir disso, eles recuperam tanto força de vontade, quanto energia vital.

      Excluir
    2. Resposta à Fernando TR:

      Sekhem, a Energia Espiritual que dá poder aos Imorredouros Egípcios (Múmias Egípcias), pode ser obtido de diversas formas.

      Além das já muito bem citadas pelo Neto Asurk acima, é bom citar outras tão importantes quanto. Segue:

      A Benção de Osíris é o método para se recuperar Sekhem dentro da Teia da Fé.

      Como a pergunta é sobre como recuperar fora desta Rede Mística de Poder, onde encontra-se, atualmente, a essência divina de Osíris, vamos aos demais métodos para os que estão fora desta.

      1o. Hekau: existem certos rituais que são capazes de armazenar Sekhem. A Linha da Alquimia, por exemplo, possui uma ritual chamado: Lágrimas de Ísis que trata de uma porção onde armazena Sekhem.

      Manual Básico Múmia A Ressurreição.
      Capítulo Quatro: Palavras de Poder.
      Tópico: Alquimia.

      Alquimia Nível 3.
      Lágrima de Ísis.
      Página 87 à 88.

      2o. Meditação: existem alguns raros santuários espalhados no Mundo que personificam Maat e/ou seus princípios. Um santuário poderia ser um Museu, uma Biblioteca, um lugar de adoração aos deuses egípcios de outrora. Desde que seja um santuário de fato; um lugar santo.

      O Imorredouro (Múmia) poderia ficar ali um dia inteiro meditando. Sistema: o jogador testa Raciocínio + Meditação, com dificuldade 8. Se tiver sucesso, este poderá rolar seu valor de Equilíbrio com dificuldade 9. Cada sucesso recupera 1 Ponto de Sekhem.

      3o. Legado: um antecedente que poderá ser adquirido na construção da Ficha do Personagem.

      Trata-se de algo importante para seu personagem e que tornou-se um símbolo dele. Podendo ser algo físico, registro dele que foi histórico, ou uma ideia importante para certo grupo de pessoas ou até para a humanidade.

      O Legado para tal precisa de alguma forma ser importante e ser lembrado por pessoas mortais, e não apenas para o próprio Imorredouro (Múmia). E deve representar Maat e seus princípios.

      O Imorredouro (Múmia) para usufruir da extração de Sekhem, ele deve estar próximo de seu Legado. Se for físico, ele deve ir até onde se encontra. Se for um feito histórico ou uma ideia, ele deve estar presente no lugar que representa o Legado.

      Cumprindo os requisitos, faça um teste de Equilíbrio, com dificuldade 6. Cada sucesso recupere 1 Ponto de Sekhem.

      Caso o teste seja bem sucedido, ou seja, 3 ou mais sucessos, conjuntamente com a recuperação do Sekhem, o personagem poderá recuperar, apenas, 1 Ponto de Força de Vontade.

      4o. Chamado de O Dom de Rá - o mais importante meio de se recuperar Sekhem fora da Teia da Fé e muitos se esquecessem deste.

      Ele não precisa de teste algum.
      Ele não precisa de requisitos.
      Ele não possui impeditivos.

      À cada nascer do Sol, onde o corpo do Imorredouro (Múmia) estiver, em QUALQUER PARTE do Mundo, este recuperará AUTOMATICAMENTE 1 Ponto de Sekhem.

      Somente a Benção de Osíris que é restrita para aqueles que estiverem no interior onde localiza-se a Teia da Fé. As demais formas FUNCIONAM em qualquer parte do Mundo. Bastando elas estarem disponíveis, algumas com seus requisitos cumpridos. À exceção do Dom de Rá que sempre estará ativo à cada nascer do Sol, nascer de um novo dia, o símbolo do Grandioso Deus Rá levantando-se do Mundo Subterrâneo.

      Espero que estas informações sejam úteis.

      Fonte Bibliográfica:
      Manual Básico Múmia A Ressurreição.
      Capítulo Cinco: A Balança.
      Tópico: Sekhem.
      Seção: Como Nutrir a Alma.
      Páginas 143 e 144.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    4. Muito bem meu pupilo, é uma maravilha ter esse zelo de copiar as informações do livro para enriquecer as dúvidas dos leitores, continue assim!

      Excluir
    5. Sinto desejo e satisfação em responder as dúvidas dos leitores.

      Boa parte das respostas foram sintetizadas daquilo que li na Linha Título de Múmia A Ressurreição.

      Entretanto, incentivamos o leitor a ler todos os materiais publicados referente as Múmias (Imorredouros) do Mundo das Trevas.

      Grato pela atenção, Neto Asurk!

      Excluir
    6. P.S.:

      À Neto Asurk III, uma das Múmias Egípcias no Brasil, Imkhu dos Khri-habi, Vizir Shemsu-Heru.

      Excluir
  4. Esse livro me faz sentir saudades do Old World of Darkness. :P

    ResponderExcluir
  5. Escrita bem feita. Exposição em resumo agradável. Apresentação admirável.

    Trabalho bem feito.

    ResponderExcluir