Personagem Oficial Brasileiro: Ramon Ayala - O Emberiza-das-neves


Ramon Ayala adorava as noites de verão no Rio. Ele os amava como um humano, afastando suas preocupações e bebendo os salários de seu pedreiro, vivendo noite a noite, mão a boca e mulher a mulher - até a noite em que ele se divertia e ofendia uma beleza loira do norte.

Ela não era uma estrangeira normal. Ela era vampiro, uma bebedora de sangue, e ela recompensou e o castigou por sua ousadia ao fazê-lo como ela era.

Depois disso, ele amou as noites ainda mais. Sem pagamento para dinheiro, sem comida para comprar e sem vida a temer, ele se tornou mais completamente formado como um sibarita debochado. Seu senhor se desesperou em fazê-lo qualquer coisa além de um motor de decadência de visão curta e o deixou sozinho.

Ele foi Abraçado em 1956. Seu senhor entrou em torpor em 1969. Ele conheceu Lucas Yoshimura em 1972.

Yoshimura estava trabalhando duro, pouco atraente, diligente, focado no longo prazo - o oposto de Ramon em quase todos os aspectos. Além disso, Yoshimura era um mago.

Se Yoshimura não tivesse sido tão insultuoso quando ele dispensou Ramon, ou se Ramon tivesse sido menos machista em cuidar de sua raiva, as coisas teriam sido diferentes. Mas eles não são diferentes. Ramon se ofendeu e partiu para se vingar.

Vendo como foi a primeira vez em sua vida, ou depois dela, que Ramon já tentou algo ambicioso, ele merece algum crédito por seus resultados. Yoshimura acabou morrendo, embora sob as presas das autoridades locais Invictus, em vez de Ramon. As autoridades disseram estar tão zangadas com Ramon que o exilaram do Rio para sempre e expulsaram suas duas crias com ele.

Talvez pior do que o exílio do Rio fosse o exílio do verão, porque o mago usou seu último suspiro para declarar que Ramon pereceria sob o céu de verão. Ramon não sabe se isso foi uma maldição, uma profecia ou uma ameaça vazia, mas ele está jogando seguro, independentemente.

Hoje e sempre, Ramon viaja pelo inverno, indo para o norte do Kansas e até o sul da Argentina para garantir que o céu de verão nunca o pegue. Ao lado dele estão seus dois descendentes de sangue, Mari e Amado Yoshimura - a irmã e filho do mago morto.



História Semente

Ramon se oferece para vender seus dois infantes. Ele jogará com a confiança dos Yoshimuras para levá-los ao limite dos personagens e depois decolar. Talvez os magos estejam procurando o par para sua conexão com Yoshimura. Talvez eles saibam algo que interessa aos Membros do Rio. Talvez eles sejam apenas psicopatas. Talvez Ramon tenha remorso do vendedor e tente roubá-lo de volta.



Descrição: Ramon tem 1,75 - altura suficiente em 1956, mas baixo para um cidadão americano moderno. Seu cabelo é negro e brilhante, parecendo tingido mesmo que não seja. Ele tem uma pele morena e terrosa e um largo sorriso branco que parece implausivelmente perfeito. (É - ele sofreu muito esforço após a morte para ter os dentes retos.) Ele é bonito, mas não é bem bonito - mesmo depois de décadas do Réquiem, ele tem as mãos, os ombros, a miríade de calos e pequenas cicatrizes de um trabalhador. Ele se veste com elegância casual e dança da mesma maneira. No seu dedo anelar direito há uma faixa de ouro branco com um rubi grande o suficiente para cutucar seu olho (é real).

Dicas de Interpretação: Ramon é um sobrevivente, e pouco mais. Ele mantém sua mente a curto prazo, planejando cuidadosamente seu próximo feed, próximo refúgio, na próxima jornada. Ele é encantador (se não espirituoso) e amigável (embora não seja gentil), mas no fundo é superficial e egoísta. Ele está contente em viajar, feliz por se alimentar e cauteloso o bastante para manter suas indiscrições menores.
O mesmo não pode ser dito de suas duas crias. Seus pesados ​​vínculos os tornam leais, mas também loucos e imprevisíveis. Ramon está tendo mais e mais problemas para mantê-los na coleira; ultimamente, ele tem pensado que ele poderia estar melhor apenas abandonando-os.

Clã: Devas

Coalizão: Apartidário
Abraço: 1956
Idade aparente: do meio ao fim dos 20 anos
Atributos Mentais: Inteligência 2, Raciocínio 3, Perseverança 2 
Atributos Físicos: Força 3, Destreza 3, Vigor 2 
Atributos Sociais: Presença 4, Manipulação 2, Autocontrole 3 
Habilidades Mentais: Ofícios (Lapidação) 2, Ocultismo 1 
Habilidades Físicas: Esportes 2, Briga 2, Condução 1, Armas de Fogo 1, Furto (Punguista) 2, Dissimulação 2, Sobrevivência 2, Armamento 2 
Habilidades Sociais: Empatia 3, Expressão 2, Persuasão 2, Socialização (Casas Noturnas) 3, Manha 2, Astúcia 3
Vantagens: Habitué 1, Senso do Perigo 2, Idioma (Português Brasileiro, Português) 2, Recursos 3
Força de Vontade: 5
Humanidade: 5
Virtude: Esperança
Vício: Preguiça
Vitalidade: 7
Iniciativa: 5
Defesa: 3
Deslocamento: 11
Potência do Sangue: 2
Disciplinas: Celeridade 2, Majestade 2, Vigor 2, Resiliência 1 
Pertubações: Narcisismo (leve; 6)
Vitae / por turno: 11/1
Armas / Ataques:

Tipo    Dano   Tamanho         Especial          Parada de dados
Faca    1 (L)      1                              _                  6

Tipo                                            Dano      Alcance             Tiros       Especial     Parada de dados
Glock 17                                     2 (L)       20/40/80         17+1                _            6
(pistola de luz)

Blindagem:

Tipo                                                    Índice     Penalidade imposta à Defesa
Roupas Reforçadas/                    1/0           0
grossas

Referência:

Vampire The Requiem - Nomads, p. 102, 103



NOTA PARA JOGADORES DA MÁSCARA

CLÃ

Os Devas em A Máscara: Os Devas se inspiram um pouco nos Toreadores e nos Brujah, mas são sedutores como os Setitas. Para que não se tornassem redundantes, seria necessária uma história pregressa e uma maneira de incluí-los na Jyhad que não atravessasse o caminho dos outros clãs. Uma sugestão: os Devas buscam sua Humanidade, mas não por meio da Golconda. Não veem a humanidade como uma raça humilde, espiritual e compreensiva. Veem a humanidade como ela é: uma espécie cujo único interesse é sua próxima dose de prazer, é satisfazer suas necessidades básicas e viver o maior tempo possível, com o máximo de confronto possível. A sedução, o vício e o hedonismo, portanto, não são pecados. São sacramentos e, em última instância, podem levar à união da paixão humana dos vivos com o poder imortal dos mortos-vivos.
É igualmente provável encontrar esses Membros tanto na Camarilla quanto no Sabá, dependendo do grau de radicalismo de suas opiniões.

COALIZÃO

Os Apartidários diferem dos anarquistas de A Máscara pelo fato de que o termo simplesmente faz referência aos vampiros que não pertencem a uma coalizão. Talvez não seja vantajoso tentar enfrentar o Réquiem sozinho, mas ser Apartidário em O Réquiem não é a mesma coisa que evitar a Camarilla em A Máscara. Muitos vampiros desgarrados preferem continuar assim porque acham as restrições impostas pelas coalizões limitantes demais, mas isso não significa necessariamente que eles rejeitam ou desejam destruir todas as ordens estabelecidas. Muitos desgarrados só querem levar seus Réquiens em paz.

Para mais informações: Vampiros Manual de Conversão, p. 30, 44

0 Comentários